Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O projeto Gender Balance do Técnico foi apresentado na Conferência do projeto europeu Systemic Action for Gender Equality (SAGE) que decorreu no ISCTE–IUL, a 3 de junho, onde foi elogiado pelos diversos participantes. A professora Helena Geirinhas, responsável pelo grupo de trabalho que promove as questões do Gender Balance no Técnico, começou por explicar, na sua apresentação durante a Conferência, que a preocupação com a questão da igualdade de género foi reforçada pelo facto de “surgirem estudos que demonstram que as organizações de topo que promovem a diversidade nas suas equipas têm melhores resultados”. O trabalho iniciou-se com um diagnóstico da realidade da diversidade de género no Técnico onde se concluiu que havia muito a fazer. Um dos objetivos prioritários do grupo Gender Balance é alargar o universo de recrutamento “aumentando a percentagem de candidatas que entram no Técnico: alunas, funcionárias, investigadoras e professoras”, explicou Helena Geirinhas. O número das alunas tem vindo a crescer desde 2014, ano em que se começaram a implementar medidas para promover a diversidade. Mas há ainda um longo caminho a percorrer porque existem apenas 28% de alunas entre os matriculados e há cursos como Engenharia Informática e de Computadores que têm apenas 12% de alunas. “Já atraímos os melhores alunos e queremos atrair também as melhores alunas”, sublinhou Helena Geirinhas. O projeto “Engenheiras por um dia” é uma das iniciativas promovidas para mostrar nas escolas secundárias que a engenharia também é uma profissão de mulheres. Um projeto que deverá ser alargado ao projeto “Girls@Técnico” que prevê a realização de “um workshop de uma semana para alunas do 8º e 9º ano para promover a engenharia e tecnologia desconstruindo a ideia de que estas são domínios masculinos”. Outra das linhas de ação é promover a chegada de mais mulheres ao topo da carreira no Técnico porque a percentagem de mulheres “decresce consideravelmente a cada nível de progressão”, acrescentou. Por exemplo há departamentos onde “numa equipa de cem professores, só existem duas catedráticas, o que não é normal”, sublinhou a responsável pelo grupo de Gender Balance. Os números revelam que há 24,5% de mulheres docentes no Técnico, mas só 16% chegam a professoras catedráticas. Para ultrapassar este desequilíbrio há que “eliminar os entraves associados à promoção aos lugares mais elevados da hierarquia” e “tornar o IST mais amigo das mulheres”. Um dos exemplos de medidas aprovadas é a implementação de bolsas para de dispensa de serviço docente, uma ação inédita nas universidades portuguesas, que prevê uma dispensa de dar aulas durante seis meses após o gozo da licença de parentalidade, para que os docentes possam continuar a sua investigação. A atribuição do Prémio Maria de Lourdes Pintasilgo, que já está na sua 3.ª edição, é uma forma de distinguir exemplos de engenheiras que se destacaram na sua carreira ou no seu percurso académico O prémio destina-se a galardoar duas mulheres formadas pelo Técnico: uma antiga aluna que carreira estabelecida e percurso excecional e uma recém graduada já com provas dadas. Outra das iniciativas são as alumni talks que permitem às atuais alunas conversar com alumni com percursos de sucesso. Há também o ciclo de conferências “Women in Science and Engineering” que pretende reforçar o Empowerment da comunidade IST através da divulgação de casos de sucesso de mulheres empreendedoras. O Técnico foi também a primeira instituição de ensino superior a integrar o iGen – Fórum das Organizações para a Igualdade, com mais de 60 organizações que se comprometem a implementar medidas de promoção da igualdade de género. Durante a Conferência SAGE, coordenada por Lígia Amâncio, foram apresentados diversos projetos de promoção da igualdade de género nas universidades portuguesas. Na sessão de abertura, Manuel Heitor, Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior sublinhou que existem poucas dirigentes mulheres nas instituições de ensino superior. “Nos próximos anos será iniciado um processo de recrutamento e desenvolvimento de carreira que será uma oportunidade única para que a questão da diversidade de Género seja tratada. Porque não há mérito que resista se a carreira de professor catedrático tem apenas 20% de mulheres”, sublinhou o governante. Apenas 13% das instituições de ensino superior em Portugal são lideradas por mulheres, que continuam a enfrentar barreiras no acesso aos cargos de maior prestígio das universidades e politécnicos, revela um estudo divulgado na semana passada. Há já alguns anos que as mulheres representam a maioria dos doutorados, mas depois continuam a ter grandes dificuldades em aceder aos cargos de maior prestígio, segundo o estudo que analisou o universo de professores que trabalha nas universidades e institutos politécnicos. A identificação das disparidades foi feita pelo projeto europeu SAGE – Systemic Action for Gender, financiado pelo programa Horizonte 2020, que contou com a participação do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. O estudo põe a descoberto os obstáculos à ascensão na carreira académica e a dificuldade em serem nomeadas ou eleitas para cargos de liderança na academia. Nas 15 universidades que integram o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) e nas 15 instituições do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), são quase sempre os homens quem decide. As exceções são o ISCTE-IUL, a Universidade de Évora, a Universidade Católica e o Instituto Politécnico do Cávado e do Ave. Estas diferenças não encontram reflexo no número de docentes do ensino superior, que é quase paritário entre ambos os sexos: 45% são mulheres e 55% são homens, segundo dados de 2017. Apesar de o número de docentes no ensino superior português ser quase igual entre ambos os sexos, apenas um em cada quatro professores catedráticos é do sexo feminino. A prevalência dos homens também é marcante na categoria de professores associados, já que apenas um em cada três é mulher. As desigualdades não são um problema exclusivo de Portugal. Em toda a Europa há mais mulheres doutoradas do que homens e eles continuam a ocupar a maioria dos lugares de maior estatuto académico. No encerramento da sessão, Rosa Monteiro, Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, anunciou que está a ser estudada a hipótese de considerar o critério da Diversidade de Género na Avaliação que é feita pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:12


Sobre a autora

Madalena Queirós, Media Relations do Instituto Superior Técnico. Foi Diretora de Comunicação da Nova SBE. Jornalista durante mais de 20 anos, especializou-se nos temas de Educação, Ensino Superior e Emprego. Apresentou o programa Capital Humano, no Económico TV, fundou o suplemento Universidades & Emprego do Diário Económico e foi editora das Manhãs da Rádio Comercial.


Neste blog vai encontrar ferramentas para controlar o rumo da sua carreira e da sua formação.


Links

Onde procurar emprego

Nas notícias



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D